Follow by Email

Postagens populares

quinta-feira, 19 de março de 2009

Etérea Viagem
Maria Raimunda

Quando eu morrer,
Tenham pena de mim:
Cubram meu rosto
E me deixem ...assim...

Quero ficar em paz
Sem ninguém me observando,
Em sufoco de lágrimas,
Me questionando.

Não quero ser medido,
Nem analisado.
Basta em tempo de vida
À exposição desmedida.
Não poder fugir.

Fechem bem os meus olhos,
Cruzem minhas inertes mãos.
Que tal me deixar limpinho?
Se quiser, chorem baixinho e
“Deixem em paz meu coração”!

Pois vou viajar,
Cruzar a amplidão,
Despido de bens,
Vazio de tudo.
Em busca do além.

Vou dar uma volta na Lua,
Brincar nos anéis e Saturno,
Me encontrar com as Três Marias,
Me perder na Via-Láctea...

Depois de noites e dias,
Medidos em ano-luz,
Quando o tédio ameaçar,
Volto ao Cruzeiro do Sul.
Abro meus braços gigantes,
Busco apoio aconchegante
Em suas estrelas azuis.
Estico-me todo... emoção,
Confundo-me com o infinito
À Terra envio meu grito
E viro constelação.

Cubram logo meu corpo
Com as flores que eu ganhei.
Agora não tem mais volta,
Deixem de lado a emoção,
Quero o meu passaporte
Para o Sul e para o Norte
Nas asas da imaginação.

FAZAG, 02 de março de 2009.

Um comentário:

  1. A viagem que você e todos nós faremos um dia é um belo passeio ao desconhecido, ao infinito e só a sua, a minha e a nossa imaginação podem alcançar.
    Muito bonito.
    Ruy

    ResponderExcluir